Por
Gazeta Paços de Ferreira

05/08/2023, 0:00 h

694

Rumo à autossuficiência? O futuro das energias renováveis.

Opinião Opinião Politica Juventude Socialista

OPINIÃO

Atualmente Portugal é um exemplo inspirador em relação á adoção de energias renováveis. O país tem trabalhado muito positivamente para reduzir a sua dependência em combustíveis fosseis, fazendo gradualmente uma transição para as energias renováveis.

João Pinto

        

As energias renováveis provêm de recursos que podem ser restabelecidos por meios naturais em tempo de vida humana bastante razoável. Este tipo de fontes energéticas geralmente produzem uma pegada ecológica muito menor, reduzindo, assim, drasticamente as emissões de CO2 para a atmosfera, o mesmo não se pode dizer das fontes de energia fósseis, que são altamente poluentes e prejudiciais para o nosso planeta e toda a vida que nele habita.

 

ASSINE GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA

 

Atualmente Portugal é um exemplo inspirador em relação á adoção de energias renováveis. O país tem trabalhado muito positivamente para reduzir a sua dependência em combustíveis fosseis, fazendo gradualmente uma transição para as energias renováveis. No nosso país as fontes de energia renováveis mais impactantes e com maior relevância na nossa sociedade são a energia eólica, energia solar, a energia hidroelétrica, energia a biomassa e biogás.

 

 

 

Estes métodos de produção de energia estão a elevar Portugal a um novo patamar de sustentabilidade energética. Um estudo demonstra que em Portugal a produção de eletricidade sofreu uma mudança de paradigma na origem das principais fontes de abastecimento nas últimas duas décadas. A partir do ano de 2005, houve um aumento gradual da potência renovável instalada, com taxa média de crescimento anual de 7%. Por outro lado, desde o ano de 2012 a geração de energia por meios de combustíveis fósseis tem apresentando uma redução bastante positiva.

 

 

 

 

No ano de 2022 em Portugal Continental foram gerados 44 060 GW/h de eletricidade dos quais 57,2% foi de origem renovável e só cerca de 37,7% foi originada por fontes fosseis.

 

 

Analisando bem os dados presentes nos estudos feitos no nosso país, verifica-se que a nossa localização geográfica e o clima são fatores bastantes favoráveis na obtenção destes recursos, sendo assim, reflitamos o seguinte: com dados tão animadores sobre estes meios verdes de obtenção de energia, porque não colocamos estas estruturas energéticas por toda a parte e substituímos todos os meios de obtenção de energias fósseis por energias renováveis?

 

 

 

A meta, claramente, é tentar ser o mais verde possível, mas em questões práticas é mais difícil de aplicar este objetivo do que se pensa. Primeiramente é necessário fazer um bom estudo das características do local em causa, que está a ser avaliado para a pratica deste de tipo de obtenção energética como, por exemplo, no caso da implementação de aerogeradores é necessário estudar se o local recebe todas as condições climatéricas necessárias para obter o máximo aproveitamento na geração de energia e, acima de tudo, é necessário verificar se a implementação é devidamente bem feita ao ponto de não danificar nem a fauna nem a flora do local, pois várias espécies podem entrar em extinção devido ao mau estudo na construção de parques eólicos, podendo, assim, danificar o ecossistema da área em questão.

 

 

 

A direção deve ser esta, um planeta e um país mais limpos, uma vez que o presente é nosso e devemos utilizar as ferramentas que temos á nossa disposição para dar um futuro digno aos nossos descendentes.

 

João Pinto

Militante da Juventude Socialista de Paços de Ferreira

 

Opinião

Opinião

“Dar mais vida às coisas para dar mais vida à vida”

13/06/2024

Opinião

A ‘REPARAÇÃO’ ÀS EX-COLÓNIAS

12/06/2024

Opinião

REPARAR EM VEZ DE SUBSTITUIR PARA UM RADIOSO DEVIR

11/06/2024

Opinião

PORTUGAL NA VANGUARDA DA MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

9/06/2024