Por
Gazeta Paços de Ferreira

01/12/2023, 0:00 h

274

JÉNIFER, OU A PRINCESA DA FRANÇA - As ilhas (Realmente) Desconhecidas

Cultura Literatura

CULTURA

Este é um livro diferente. Em boa verdade, não é apenas um livro, assume-se também como uma fotografia; um fidelíssimo retrato do pobre estado em que todos nos encontramos, sim, porque este é um desígnio comum, um problema que nos diz respeito a todos, e pelo qual todos devemos assumir responsabilidade.

Por Telmo Nunes (Colunista)

CULTURA

 

 

A cada página, um esmurrar de estômago pelo confronto com aquilo que, efetivamente, é a realidade de tantos açorianos. Por trabalhar há muitos anos (talvez demasiados) numa zona arredada dos grandes centros urbanos e culturais, assumo com relativa segurança que, o que nos é dado a ver nas urbes açorianas, Ponta Delgada, Lagoa, Ribeira Grande, Angra do Heroísmo, Praia da Vitória ou Horta, está longe, bem longe da realidade e das verdadeiras condições de vida de grande parte (quiçá, a maior parte) dos açorianos. E é pena que assim seja, e mais ainda que não se vislumbrem alterações significativas nos anos vindouros.

 

 

A ação deste texto ocorre na ilha Terceira e de Jesus Cristo, mas foi com relativa facilidade que, através desta leitura, calcorreei ruas e percorri bairros em São Miguel. Vi micaelenses com os quais interajo quotidianamente a fazerem exatamente o que fazem todos os dias, e questionei-me sobre como poderia o autor discorrer sobre aquilo. É triste e deveras preocupante a facilidade com que se replica esta pesarosa narrativa por tantos espaços, talvez até pelos nove que compõem o arquipélago, mas, por não os conhecer a todos, não posso ousar a generalização.

 

 

ASSINE A GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA

 

 

Ao longo das últimas duas décadas, e a cada ano letivo, invariavelmente, tanto eu, como qualquer um dos meus colegas, temos duas ou três “Jénifer” dentro das nossas salas de aula. Entram atrasadas, vêm mudas e sentam-se na secretária do fundo. Chegam sempre com muito sono. Nunca querem estudar e motivá-las para quaisquer atividades escolares nunca é tarefa fácil. E os motivos? Bem, em boa verdade, todos os conhecemos.

 

 

Por há muito ser assim, oxalá não falte ânimo nem virtude ao escritor, para que a denúncia voe um pouco mais alto e se oiça um pouco melhor. Que continue a trazer à lupa do mediatismo a pobreza em que os Açores estão mergulhados.

 

 

Joel Neto, Jénifer, ou a Princesa da França As Ilhas (Realmente) Desconhecidas, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2023

 

 

 

 

Opinião

Opinião

O sindicalismo policial e o direito à greve

19/05/2024

Opinião

CXXV – A Lei sobre Política Criminal (x)

19/05/2024

Opinião

A História do Terreno do SC Freamunde

18/05/2024

Opinião

“Já se pode tomar um fôlego, padre Martins”

18/05/2024