Por
Gazeta Paços de Ferreira

18/05/2024, 0:00 h

51

“Já se pode tomar um fôlego, padre Martins”

Cultura Opinião Abílio Travessas

CULTURA

Fica aqui o essencial sobre um homem esquecido por muitos mas também muito lembrado por aqueles que continuam a lutar por um modelo de sociedade não cumprida com a Revolução de Abril.

Por Abílio Travessas (Colunista e Professor aposentado)

CULTURA

 

 

(Cumprimento dum paroquiano no 25 de Abril)

 

 

A entrevista de António Marujo ao padre José Martins Júnior é notável, um percurso de vida ao serviço dos mais desprotegidos que o levou a lutar contra os poderes, político e religioso, Alberto João Jardim e o bispo Teodoro. A comparação do processo do padre Frederico, que estava no Colégio Português de Roma, secretário do bispo Teodoro, acusado de pedofilia e de assassinato dum jovem, com o processo de Jesus Cristo, levou os padres Mário Tavares e Edgar Silva à política, em partidos de esquerda, traumatizados pelo caso. M Tavares: “Fiz de propósito, tinha que marcar posição para vincar a minha revolta perante a vergonha do caso Frederico”. Frederico não era padre, foi ordenado pelo bispo que o trouxe para a Madeira; alguns paroquianos não aceitaram e deixaram de ir à igreja.

 

 

Depois do 25 de Abril, “os rapazes apareceram em Machico a lutar ao lado dos camponeses contra a colonia, regime feudal, o camponês era servo da gleba, tinham de dar o trabalho e metade do que produziam – o senhorio, que vivia no litoral, nas cidades e mesmo em Lisboa, não permitia que se acrescentasse um quartinho à casa coberta de colmo; um senhor que era da confraria do Santíssimo Sacramento, que levava o pálio, era senhorio e lá foram pedir para deixar fazer o quarto, nunca deixou, era católico, era religioso. A Igreja também era senhoria de muitas terras”.

 

 

ASSINE A GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA

 

 

“Ficámos amigos (eu e os rapazes da UDP), deram a cara, mas nunca fui do partido, mas os ideais coincidiam.”

 

 

Fica aqui o essencial sobre um homem esquecido por muitos mas também muito lembrado por aqueles que continuam a lutar por um modelo de sociedade não cumprida com a Revolução de Abril.

 

 

E viva o meu Sporting campeão!

 

 

 

 

Opinião

Opinião

“Dar mais vida às coisas para dar mais vida à vida”

13/06/2024

Opinião

A ‘REPARAÇÃO’ ÀS EX-COLÓNIAS

12/06/2024

Opinião

REPARAR EM VEZ DE SUBSTITUIR PARA UM RADIOSO DEVIR

11/06/2024

Opinião

PORTUGAL NA VANGUARDA DA MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

9/06/2024