Por
Gazeta Paços de Ferreira

03/08/2023, 0:00 h

340

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

Destaque Opinião Teresa Paula Costa

OPINIÃO

Além de promover o encontro da juventude católica, a JMJ em Lisboa deverá destacar questões relevantes para a sociedade atual e incentivar a reflexão sobre temas como justiça social, paz, diálogo inter-religioso, meio ambiente, entre outros.

Teresa Paula Costa

Muito se tem falado e escrito sobre este assunto e muito se falará depois de tudo terminado.

 

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é um evento católico de grande magnitude que reúne jovens de todo o mundo para celebrar a sua fé, compartilhar experiências e refletir sobre questões espirituais e sociais. Tradicionalmente presidida pelo Papa, a JMJ é realizada em diferentes cidades a cada edição e atrai milhões de jovens católicos.

 

ASSINE GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA

 

Portugal acolhe, por estes dias, cerca de um milhão de peregrinos de diversas culturas e países. Além de promover o encontro da juventude católica, a JMJ em Lisboa deverá destacar questões relevantes para a sociedade atual e incentivar a reflexão sobre temas como justiça social, paz, diálogo inter-religioso, meio ambiente, entre outros.

 

Espera-se que a JMJ em Lisboa seja uma oportunidade para que os jovens compartilhem suas vivências e desafios, fortalecendo os laços de comunidade e proporcionando um espaço para aprofundar a fé

.

 

 

Este evento também será um impulso para a cidade anfitriã, gerando impactos positivos no turismo, economia local e divulgação internacional de Lisboa.

 

Contudo, como em qualquer evento de grandes proporções, também há críticas e desafios a serem enfrentados. Uma das críticas que mais se tem ouvido, por cá, está relacionada com o valor gasto pelo Estado.

 

 

 

 

A realização de um evento tão grandioso exige investimentos significativos em infraestruturas, segurança e logística.

 

Alguns críticos questionam se esses recursos não seriam melhor utilizados noutras áreas como habitação, saúde ou assistência social.

 

No entanto, as obras e os equipamentos públicos, ficarão para uso dos cidadãos.

 

 

E estima-se que o Estado terá um acréscimo de receita muito significativo, resultante do IVA aplicado sobre as receitas do evento. Além das taxas turísticas pagas por cada peregrino que entra nos nossos aeroportos.

 

A realização da JMJ em Lisboa certamente trará desafios, mas também pode ser uma oportunidade para unir jovens de diferentes origens num espírito de fé, esperança e solidariedade.

Teresa Paula Costa

 

Opinião

Opinião

“Dar mais vida às coisas para dar mais vida à vida”

13/06/2024

Opinião

A ‘REPARAÇÃO’ ÀS EX-COLÓNIAS

12/06/2024

Opinião

REPARAR EM VEZ DE SUBSTITUIR PARA UM RADIOSO DEVIR

11/06/2024

Opinião

PORTUGAL NA VANGUARDA DA MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

9/06/2024