13ª Jornada

SC FREAMUNDE  3 –  ALIADOS FC LORDELO 3

Domingo 20 de dezembro 2020 –10h00 – Complexo Desportivo SC Freamunde

Freamunde: Diogo Santos; Henrique; Paulo Monteiro; Moca; Moreira; Vaqueiro; Marco André (Sousa, 85’); Diogo Martins; Pedro Alves (Migas, 76’), Guzman e Beirão.

Treinador: Jorge Nogueira

Aliados Lordelo: Fábio Carvalho; Pedro Covelinhas; Odailson; Rui Filipe; João Moreira; Coelho (Nordine, 90’); Fabrício; João Dias; Jorginho (Dinis, 90’); Silvério (Ricardo Costa, 90’) e Diogo Teixeira (Artur Costa, 66’).

Treinador: Amando Santos

Árbitro: Simão Santos

Expulsões: Odailson  (84’)

Marcadores: Paulo Monteiro (4’,g.p.), Beirão (83’) e Migas (87’); Moreira (6’, a.g.), Rui Filipe (73’) e Jorginho (90)

Manhã de inverno escaldante

Freamunde e Aliados Lordelo, dois velhos conhecidos que recriam duelos desde os anos 70. Nas duas últimas épocas após se terem reencontrado 25 anos depois, o equilíbrio tem sido a nota dominante nestes jogos. Na época 18/19 ambos foram vencer na casa do adversário, e na última época os dois venceram os seus jogos caseiros. O Freamunde apresentou-se para este jogo com a necessidade de limpar a má imagem deixada em Gens, enquanto que o Aliados de Lordelo vinha de duas vitórias moralizadoras, mas a revolução no plantel e algumas entradas recentes, ainda não conferem à equipa do recém chegado Armando Santos a maturidade que necessita. De realçar que no Aliados os 3 melhores marcadores da equipa são jogadores da retaguarda, o que era um sinal de aviso para os capões nos lances de bola parada. As duas equipas apresentaram basicamente os últimos onzes, apenas a registar a saída de Xandão no Freamunde, e da estreia do experiente avançado Silvério no Aliados.

O jogo iniciou praticamente com o golo do Freamunde de grande penalidade convertida pelo capitão Paulo Monteiro, após falta clara na área sobre Pedro Alves. De nada valeram os protestos exagerados dignos de acção disciplinar do treinador Armando Santos, que prosseguirá o jogo até final em constantes protestos. O Freamunde não pode festejar muito tempo, dois minutos volvidos, e João Moreira, defesa esquerdo do Aliados formado em Freamunde e autor duma grande partida a todos os níveis, marca um livre e o central Moreira do Freamunde faz auto-golo, num lance de infelicidade. Com o jogo empatado, as duas equipas brigaram muito por tentar a vantagem. No último quarto de hora desta parte a equipa do Freamunde tomou o domínio do jogo perante um Aliados com menos energia, e desejar o intervalo.

A segunda parte começa com um lance idêntico ao da primeira parte, com Diogo Martins a ser tocado na grande área com motivos para grande penalidade não assinalada. Aos vinte minutos, Marco André sozinho passou vários jogadores, e no momento do remate o lance é cortado na hora certa, naquele que poderia ser o golo da vantagem dos capões. Não marcou o Freamunde, marcou o Aliados em mais um lance de bola parada, com Silvério a colocar a bola na área em chuveiro e na confusão o defesa do Aliados Rui Filipe faz golo. Perante a desvantagem, Jorge Nogueira faz entrar Migas, e da pressão freamundense nasce a jogada do Freamunde que daria golo, com Beirão a receber na área, a virar-se para a baliza e fazer o golo mais esclarecido desta manhã, repondo a igualdade. No minuto seguinte, o juiz Simão Santos, que teve um critério disciplinar quase inexistente na primeira parte, regressou dos balneários com os cartões sempre prontos a sair, e a primeira vítima foi Odaílson a ser amarelado pela segunda vez. Pouco depois Moca livrou-se do apertado critério disciplinar e continuou em campo em lance similar. O jogo que ficou confuso, e com muitos protestos, e nisto aproveitou o Freamunde para marcar o golo da reviravolta, com Migas. Com mais um em campo, e com a reviravolta feita, o Freamunde tinha tudo para vencer, mas após a marcação dum livre numa falta mal assinalada, nasceu o canto que deu a Jorginho a oportunidade de marcar a uma equipa por onde passou fugazmente. Tudo de novo empatado, e os ânimos ainda mais incendiados, com várias picardias desnecessárias.
Final desta partida electrizante com um empate que acaba por ser justo, mas que penaliza um Freamunde que teve tudo para vencer, e que deixou a vitória fugir no último instante.

Nota negativa para o juiz da partida que apesar de não ter influência no resultado, não soube gerir o jogo disciplinarmente, fazendo com que os ânimos se exaltassem a níveis não permitidos no desporto que acabaram em cenas pouco dignas no final da partida. Notas negativas também para o treinador do Aliados em constantes provocações, e para o director desportivo do Freamunde que reagiu de forma imprópria a uma provocação no final da partida.

Por fim, um pequeno comentário sobre a presença de vários elementos do Aliados na bancada freamundense, o que faz-nos questionar as regras e as normas impostas. Entre directores, equipa técnica e jogadores estariam algumas dezenas de pessoas, fazendo com que no estádio do SC Freamunde houvesse mais pessoas afetas ao Aliados do que do Freamunde. Se os adeptos não podem estar no estádio nem nas imediações do Estádio, como se pode permitir esta situação? A Associação de Futebol do Porto necessita de rever todo o seu plano de segurança, porque nesta manhã de futebol quer queiram quer não, um clube conseguir um vasto grupo de ‘’adeptos’’ dentro do estádio do adversário, contornando as regras de segurança impostas!

Ricardo Jorge Neto

Assine e divulgue Gazeta de Paços de Ferreira

Assinatura anual 20,00

Com acesso gratuito à  edição electrónica

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here