Por
Gazeta Paços de Ferreira

27/04/2023, 0:00 h

294

DO FIO À MEADA

Cultura

CULTURA OCUPAR

Claudia Pereira

A arte do tricô está muito enraizada na nossa cultura. Um único fio entrelaçado com duas agulhas a partir de duas variações de pontos. Acredita-se que surgiu no Médio Oriente, mais especificamente no Egipto, onde consta-se que a técnica era feita com a ajuda de ossos ou pedaços de madeira. Alguns anos mais tarde, os belgas levaram a técnica aos ingleses, onde as mulheres começaram a produzir meias e cachecóis para proteger os seus maridos e filhos contra o frio do inverno, por este motivo o tricô ficou relacionado com essa estação.
Com o crescimento exponencial do mercado da moda, nos anos 70, o tricô artesanal ganhou um lugar marcante, que permanece até hoje em diversas culturas ao redor do mundo.
Nos dias de hoje, vem ganhando mais espaço na moda sustentável, já que é uma técnica que permite a reutilização de fios e a criação de peças duráveis e atemporais.

Em Portugal, temos algumas referências desta arte, tais como a tradicional e ícone da Povoa de Varzim, a Camisola Poveira que é fabricada a partir de uma técnica de tricotagem ancestral, cujo ensino urge preservar e promover. Atualmente, esta peça de artesanato têxtil também é vista como um artigo de moda, levando aos quatro cantos do mundo o nome de Portugal.

ASSINE GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA


Apesar de ter sido ultrapassado por processos mecânicos e industriais, a verdade é que o tricô manual voltou a estar na ribalta, ora como passatempo, ora como negócio. Além de ser uma técnica versátil, é considerada uma atividade relaxante e terapêutica que pode ajudar a reduzir estados de stress e ansiedade.

Para mim, será sempre sinónimo de casa, vai-me sempre transportar à doce memória de estar com a minha avó paterna e observá-la a tricotar em tranquilidade. Recuperando esta arte com história, surgiu um projeto de uma conterrânea, as “Meadas Handmade”, onde tudo é feito à mão e com apreço. Desta forma, convido-vos a conhecer este projeto que comprova que tudo pode ser passado de geração em geração, quando feito com amor.

Cláudia Pereira

Espaço Ocupar

 

Opinião

Opinião

“Dar mais vida às coisas para dar mais vida à vida”

13/06/2024

Opinião

A ‘REPARAÇÃO’ ÀS EX-COLÓNIAS

12/06/2024

Opinião

REPARAR EM VEZ DE SUBSTITUIR PARA UM RADIOSO DEVIR

11/06/2024

Opinião

PORTUGAL NA VANGUARDA DA MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

9/06/2024