Várias são as razões que têm contribuído para a diminuição do consumo de leite e sucessivo aumento da procura de alternativas vegetais. A variedade de opções disponíveis no mercado não para de aumentar e muitas destas bebidas são popularmente apelidadas de “leite”, quando na realidade apenas se assemelham a este na sua aparência e consistência.

O leite e alguns dos seus derivados são alimentos que a espécie humana consome há vários anos. O seu consumo constituiu, comprovadamente, uma vantagem evolutiva para algumas populações primitivas que o podiam digerir, fruto da sua elevada riqueza nutricional.

De facto, os lácteos possuem um teor importante de proteínas de alto valor biológico, de cálcio altamente biodisponível e de outras vitaminas e minerais, como as vitaminas A, D, B2 e B12 ou os minerais fósforo, potássio, selénio e iodo, tornando-os alimentos com um papel importante na alimentação.

Os produtos lácteos constituem, por isso, um dos grupos da Roda dos Alimentos Portuguesa, variando entre duas e três porções diárias a sua recomendação, consoante a idade.

Quando comparamos o leite às bebidas vegetais, existem diferenças bastante significativas.

As mais relevantes são o menor teor (com a exceção da bebida de soja) e qualidade da proteína, um maior teor de hidratos de carbono, nomeadamente de açúcares e uma menor quantidade de vitaminas e minerais.

Embora muitas bebidas vegetais sejam suplementadas com cálcio, de modo a que os respetivos teores se assemelhem aos do leite, a sua biodisponibilidade é comprovadamente menor, fruto de uma matriz alimentar distinta onde fatores como a presença de fitatos ou oxalatos impedem uma absorção tão eficaz deste micronutriente ou da própria precipitação/sedimentação do sal de cálcio na embalagem.

Relativamente a outros micronutrientes, os estudos mostram que a equivalência com o leite apenas se verifica quando há suplementação das bebidas vegetais com essas vitaminas e minerais.

Assim, as bebidas vegetais não se devem considerar alternativas ao consumo de leite, sob o ponto de vista nutricional. Embora a bebida de soja fortificada possa apresentar uma razoável semelhança com o leite, todas as outras são suficientemente diferentes para que não lhes possamos atribuir essa capacidade, havendo mesmo alguns potenciais riscos para a saúde, sobretudo de crianças, que podem estar associados a essa substituição.

Mafalda Pacheco Pereira

ASSINE E DIVULGUE GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA

ASSINATURA ANUAL DA EDIÇÃO ELECTRÓNICA – 10 EUROS

ASSINATURA ANUAL DA EDIÇÃO IMPRESSA (COM ACESSO GRATUITO À EDIÇÃO ELECTÓNICA) 20 EUROS