Acabaste de acordar. O corpo ainda te pede cama, mas o coração está leve e implora por liberdade, por um recomeço, pela vida que te espera do outro lado da porta.

Levantas-te e fazes o teu ritual: lavas o rosto, penteias o cabelo, tomas o pequeno-almoço, vestes-te e sais porta fora, atiras-te à vida, a esse mundo novo.

Mas já paraste para agradecer?

Curioso, Deus assiste à tua caminhada e pergunta-se porque não lhe dirigiste a palavra nesta nova manhã que te concedeu. Não é que Ele espere que o faças, sabe que, na maioria das vezes, estás demasiado distraído para notar as pequenas alegrias que Ele te concede e, por isso, nem te lembras que até quando vem o sofrimento também é pela Sua mão. É uma forma de te chamar à atenção. Uma forma de te fazer ver o mundo ao invés de apenas o observares. É uma forma de te fazer renascer, crescer e viver. Aprender a ser.

Agora paras e refletes: meu Senhor, que bom que acordei, que me concedeste uma noite de paz, que me permitiste respirar o ar puro que adentra pela minha janela.

Então agradeces pela luz do sol, pelo chilrear dos passarinhos, pela borboleta branca que pousa no teu jardim. Agradeces porque tens uma cama, uma mesa e um teto. Agradeces porque mesmo quando estás sozinho, sabes que Ele não te abandona. Ele vê-te, guia-te e ensina-te.

Agradeces pelos pulmões que te foram concedidos, pelo teu corpo que um dia se tornará pó e pela vida que nada mais é do que um empréstimo que já estás a pagar, mesmo sem saber, ou que irás pagar no final, consoante o bem e o mal que fizeste, seja nesta vida ou noutra dimensão, cuja existência ainda ignoras.

E assim vais agradecendo, recordando que tudo o que tens se deve a uma força maior. Não importa a tua crença, a tua religião, a tua raça, os teus costumes. Não importa se és ateu, se não acreditas em vidas passadas ou em reencarnação, não importa se não acreditas que estás aqui com uma missão ou só por estar. Não importa se achas que quando tudo acaba, não há mais nada, ou se confias que de um outro lado encontrarás uma nova vida com as pessoas que amas e que te esperam. Importa o que carregas por dentro, a tua essência, o teu coração, os teus sentimentos.

Por isso, agradeces. Independentemente daquilo em que acreditas ou daquilo em que não queres acreditar, agradeces porque estás vivo.

Acordaste, respiras, os teus órgãos funcionam corretamente, cada um cumpre a sua função, tens uma família, uma casa, tens amor, um trabalho e tens paz.

Nessa paz tens também Deus, ou o Universo, ou uma força que não entendes, ou um Anjo da Guarda, ou uma mão amiga, mas tens algo que te segura, algo que te mantém firme, algo que te faz continuar.

E ter algo que te leva adiante é motivo de regozijo, é uma bênção que tens de agradecer.

Agradece.

Assine e divulgue Gazeta de Paços de Ferreira

Assinatura anual 20,00

Com acesso gratuito à  edição electrónica

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here